Equanimidade e o caminho para a Liberdade

August 31, 2017

 

A Maria Melo, convidou-me para escrever para a Revista Progredir. Aceitei o desafio e partilho convosco o meu novo artigo.

 

Imagine estes dois cenários: é promovido no seu emprego e sente uma felicidade extrema; um ano depois é despedido e o seu mundo desaba.

 

Ao confrontar-se com cenários deste tipo, já alguma vez refletiu se é normal sentir-se tão imensamente feliz e tão profundamente desesperado? Ser arrastado num turbilhão de emoções e sentimentos que o puxam ora para cima ora para baixo?

 

E aquelas “pequenas coisas” do dia a dia, que em vez de passarem por nós, como as árvores numa estrada quando conduzimos, ficam apegadas à nossa mente e conseguem estragar-nos o dia? Dando como exemplo quando alguém nos critica.

 

Se tivermos a capacidade de sermos mais do que a pequenez da nossa psique egocêntrica, poderemos analisar se aquela crítica acrescenta alguma coisa válida e até nos permite melhorar, ou se é apenas uma crítica baseada na experiência e na visão do mundo de uma pessoa, e, naturalmente, deixarmos ir essa sensação.

 

Este tipo de análise exige que saibamos quem somos e é aqui que entra a Equanimidade: “uma reação equilibrada na alegria e na tristeza e que protege contra a agitação emocional” (Bodhi, 2005).

 

Um estado mental sereno e equilibrado independentemente da sua valência afetiva: agradável, desagradável, ou neutra. A equanimidade envolve um certo tipo de imparcialidade, o que não implica nem indiferença nem distanciamento. Aqui o que é sugerido é experimentar pensamentos ou emoções desagradáveis, sem reprimi-los, negá-los ou julgá-los, ou ter experiências agradáveis sem prolongar essas experiências ou tornar-se viciado nelas.

 

A equanimidade sugere examinar, explorar sem nos apegarmos ao que observamos e não ficar preso à experiência transformando-a em algo mais. A forma como recebemos essas experiências vai depender da nossa capacidade de perceção do todo.

 

Parece uma tarefa impossível? Exige um treino diário, sem dúvida, mas não é impossível.

 

Nós, indivíduos, criamos um modelo de como a nossa vida deve funcionar e encetamos todos os esforços possíveis para o manter de pé. De repente, ocorre um acontecimento que sai fora desse modelo e, automaticamente, provoca-nos um desequilíbrio interior que põe em causa o modelo.

 

O que tentamos fazer diariamente é construir fortalezas em torno desse modelo para que nada o possa derrubar ou perturbar. E quem é que faz esse trabalho desgastante diário de construir fortalezas? A nossa mente.

 

É a eterna luta pela sobrevivência da espécie. A maioria de nós já não necessita de se proteger fisicamente, não temos que fugir constantemente de animais selvagens. A nossa luta atual é com a nossa mente onde lidamos com medos interiores baseados nas nossas inseguranças e nas nossas crenças.

 

Esta construção de um modelo é a tentativa de controlarmos o mundo exterior.

 

É esta a tarefa que damos à nossa mente. É uma tarefa impossível em que inevitavelmente falhamos, pois criamos a ideia de um mundo que só existe dentro de nós. Qual é o propósito deste controlo? Evitar a dor. E para evitar a dor acabamos, paradoxalmente, por viver no sofrimento dessa instabilidade, à mercê dos altos e baixos de uma psique desequilibrada.

 

A dor faz parte da vida, é inevitável e, até, desejável pois é ela que nos permite evoluir e rasgar os limites da mente. Já o sofrimento é uma opção e tem origem no apego. Ser equânime promove o fim do sofrimento.

 

O apego não nos permite ser equânimes. Ocorre nas experiências “más” mas também nas “boas” e faz com que estas fiquem bloqueadas, presas a nós: “Eu sou tão feliz com a minha namorada, sinto-me tão amado. Não quero que ela se vá embora.” Quando a experiência é boa, recriamos esse sentimento vezes sem conta e corremos o risco de nos apegarmos excessivamente de tal forma que nos tornamos dependentes de alguém ou de alguma coisa. Quando e se esse alguém sai da nossa vida, o nosso modelo de controlo do mundo exterior cai.

 

Como devemos lidar com esta experiência e consequentemente desenvolver a equanimidade? Quando acontece, devemos permitirmo-nos receber essa dor pois é a única forma de não a bloquear.

 

É natural e saudável sentirmos tristeza com o fim de um relacionamento, a questão aqui é se a nossa reação é de tal forma excessiva e desequilibrada que nos leva a bloquear essa experiência. Bloquear significa cristalizar essa dor.

 

Deveremos examinar e mergulhar fundo nessa dor, observando a forma como estamos a reagir, e entender por que é que o nosso modelo caiu e nos provocou tanta dor. Talvez cheguemos à conclusão que os pressupostos que levaram à criação desse modelo, não estavam certos e que os devemos redefinir.

 

Essa análise vai provocar a expansão da nossa consciência, trazendo-nos a tão esperada liberdade com o fim do sofrimento.

 

Ao nos desapegarmos, não nos tornamos distantes nem frios, muito pelo contrário, aceitamos que os bons e os maus momentos passam não deixando contudo de participarmos intensamente da dádiva enorme que é a vida.

 

A equanimidade, traz-nos liberdade. Pratiquemos então a equanimidade dando atenção plena aos nossos pensamentos e ações de modo a nos tornarmos conscientes da impermanência da vida e da dualidade que esta encerra.

 

Sermos equânimes e atingirmos esse estado de paz e liberdade é deixarmos ir modelos rígidos de pensamentos baseados na nossa cultura, entendendo que as dicotomias do certo e do errado e do bom e do mau, não são mais do que parte de um fluxo contínuo que não deve ser bloqueado.

 

Aos poucos, vamo-nos apercebendo de que aquilo que nos prendia, afinal, é o que nos desperta.

 

Sofia Pérez - Coach Holístico

 

Para acesso direto ao meu artigo na Revista Progredir seguir o link:

https://issuu.com/progredir/docs/revista_progredir_068/39

Para saber mais sobre a Revista Progredir:

http://www.revistaprogredir.com/
https://www.facebook.com/RevistaProgredir

 

Coach Holístico e Mentoring em Lisboa, Linha Cascais e Sintra, Abrantes

Para que serve o coach holístico? mudar a tua vida, melhorar, atingir metas, sonhos, objetivos, numa abordagem que une todas as tuas facetas quer a nível relacional, familiar, financeiro, profissional e espiritual. ​ Qual é o grande objetivo? Seres mais feliz, descobrires o poder que reside em ti, que é enorme!

Email: coachsofiaperez@gmail.com

Blog: www.coachsofiaperez.com

https://www.facebook.com/CoachSofiaPerez

 

 

 


 

 

Share on Facebook
Please reload

Recent Posts
Please reload