Depois dos 30

March 19, 2019

Os anos passam depressa, especialmente depois dos 30. São anos em que naturalmente começamos a questionar tudo e que iniciamos o caminho de volta a casa.

 

E vou olhando para dentro de mim, para os muitos "eus" que compõem os retalhos das minhas versões. Eu já fui a princesa à procura do príncipe, a amante apaixonada dos impulsos, a filósofa pessimista, a estudante obstinada. Representei uma Artemísia lutando contra moinhos de vento e fortalezas inquebrantáveis e também uma Atena prisioneira da razão.

 

Há uma glória, contudo, que não me pode ser negada: a de que eu fui muitas e única, que fugi o mais que pude dos estereótipos da plasticidade e da superficialidade. Na minha incoerência, sempre houve autenticidade, sempre expus para fora toda a minha anarquia interior através de diferentes “eus”: uns mais ingénuos, outros mais agressivos, uns mais alegres e outros sofridos.

 

E por tudo isto, concedo-me o direito de não me enquadrar numa lógica cartesiana e do politicamente correto. Que o sistema asfixiante fique com os seus códigos e regras. No meu sistema, o caos e a ordem estruturada são o padrão, não tenho rotas rígidas e entrego-me às correntes, e vou, sei que o meu barco não me vai deixar afundar.

 

Hoje eu sou assim, mas, amanhã, quem sabe? Se estamos nós em constante devir? Hoje acredito, mas posso vir a duvidar. Hoje tenho uma opinião, mas posso vir a mudá-la.

 

Sofia Pérez
Coach e Hipnoterapeuta Transpessoal

 

www.coachsofiaperez.com

 

Autora da imagem: Christy Lee Rogers

 

Share on Facebook
Please reload

Recent Posts
Please reload